banner.gif
contato
Próximas Atividades
04/08/2018, sábado, as 16h

Reflexões sobre não monogamia

 
11/08/2018, sábado, as 19h

Lançamneto do zine anarco feminista Insubmissas

 
18/08/2018, sábado, das 14 as 18:30h

Lançamento do livro "A mulher é uma degenerada"

 
04/08/2018, sábado, das 09 as 12h.

Grupo de estudos sobre anarquismos, feminismos e masculinidades

 
Quem está conectado?
Nós temos 6 visitantes online

Noticias

04/08/2018, sábado, as 16h -

Reflexões sobre não monogamia


11/08/2018, sábado, as 19h -

Lançamneto do zine anarco feminista Insubmissas


18/08/2018, sábado, das 14 as 18:30h -

Lançamento do livro "A mulher é uma degenerada"


04/08/2018, sábado, das 09 as 12h. -

Grupo de estudos sobre anarquismos, feminismos e masculinidades



., © .

Fundação do Núcleo de Estudos Libertários Carlo Aldegheri

Foi formado há pouco tempo atrás, no Guarujá, região litorânea de São Paulo, o Núcleo de Estudos Libertários Carlos Aldegueri. Saudamos os compaheiros pela iniciativa e esperamos que possamos fazer várias atividades em conjunto.

Segue abaixo manifesto de fundação do grupo.


NÚCLEO DE ESTUDOS LIBERTÁRIOS CARLO ALDEGHERI

 Acreditando que a análise criteriosa das questões sociais (mesmo sem a necessidade de diplomas ou graduações), com base em documentos históricos produzidos pelos seus próprios protagonistas, é uma poderosa ferramenta que contribui para a liberdade individual, coletiva e interação social, sendo essas reflexões essenciais para a construção de um mundo novo, assim surge em meados de 2010, na cidade de Guarujá, o Núcleo de Estudos Libertários Carlo Aldegheri.

O Núcleo de Estudos Libertários Carlo Aldegheri (nome dado em homenagem ao anarquista italiano Carlo Aldegheri, que também militou na França, Espanha e viveu durante muitos anos no Guarujá) tem como proposta inicial o estudo das teorias e práticas anarquistas através do seu desenvolvimento histórico, objetivando, assim, resgatar fatos e acontecimentos que colaborem para uma melhor compreensão da conjuntura vigente, contribuindo para a formação política de novos militantes, edificando possibilidades de atuação social e, ao mesmo tempo, evitando a repetição de certas ações improdutivas que a experiência do passado nos ensina.

Pretendemos atuar publicamente organizando atividades socioculturais como: exibições de filmes com conteúdo libertário, seguido de debates; promovendo e proferindo palestras; participando conjuntamente com outros coletivos em grupos de estudo, em suma, realizando eventos com o propósito de coletivizar ao máximo o resultado de nossas pesquisas, sempre com o objetivo de fomentar a prática do anarquismo, independente de seus adjetivos, já que entendemos o anarquismo enquanto fim, ou seja, a prática da cooperação, do apoio mútuo, da troca de conhecimentos de forma autogestionária, da constante busca de possibilidades através da ação direta, com base na liberdade responsável.

Também está em nosso programa de atuação, tomar parte em campanhas de solidariedade à outros grupos e indivíduos libertários, assim como, a participação em manifestações políticas (apartidárias, obviamente) e ações coletivas junto aos diversos movimentos sociais, atuando sempre de forma autônoma e libertária.

Além disso, estamos organizando uma biblioteca social anarquista, visando a preservação e difusão de diversos materiais de cunho libertário, de lutas sociais, manifestações culturais e contraculturais (livros, jornais, revistas, panfletos, cartazes, fotos, fanzines, filmes, entre outros), que possibilitem a iniciativa de novos e diversos estudos e pesquisas. Objetivamos em um futuro próximo termos a possibilidade da criação de um espaço aberto ao público, onde possamos estar disponibilizando este acervo à todas as pessoas interessadas.

Além de participar das atividades promovidas pelo Núcleo de Estudos Libertários Carlo Aldegheri, quem estiver interessado em colaborar de forma mais próxima ao grupo, poderá estar compartilhando idéias, estudos, práticas libertárias, fazendo doações de materiais de pesquisa ou mesmo nos convidando para participar de outros eventos (como palestras e grupos de estudos), através do seguinte e-mail:

  Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

“A formação intelectual é um dever, no sentido do sujeito se preparar, pois o saber é o meio de libertação, o instrumento de luta, mais objetivo e preciso ao seu alcance”

(Pedro Catallo)

 

Direito e Anarquia

Como sugestão de leitura para a discussão do dia 15/10, às 14hs, no CCS-SP, seguem três títulos,  muito interessantes sobre o tema :

 

Tema a ser abordado no 10ª Expressões Anarquistas, por Eduardo Dezena, advogado, membro do Coletivo Fenisko Nigra e do CCS/SP, o direito, no que se refere à normatização coletiva ou reivindicações legalistas é pauta para discussões de há muito tempo no meio libertário. O livro"Contra los Jueces" de Aníbal D’Auria serve de preambulo para esse debate.


Para baixar o arquivo em pdf, clique aqui.

 

A Anarquia Perante os Tribunais , Pietro Gori , 68 página, 12x18 cm, editora: Achiamé, R$ 5,00 + R$ 2,95 frete

Este livro documenta o célebre discurso de defesa de Pietro Gori no chamado processo-crime dos Anarquistas de Gênova e compendia os princípios ideológicos professados pelo autor. Documento importante para a história do anarquismo e em termos mais gerais das lutas contra o Estado que os Tribunais defendem brandindo o mito de uma justiça que obras como esta tão claramente põem a nu.

Clique aqui para adquirir.

 

O Anarquismo no Banco dos Réus (19691972), Edgar Rodrigues , 1933, 206 páginas, 14x21cm,ilustrado,  editora: Achiamé R$ 15,00 + R$ 4,70 frete

Em junho de 1957 morre José Oiticica. Alguns de seus amigos fundaram o Centro de Estudos Professor José Oiticica, que ficava na Av. Alm. Barroso, 6 - s/1101, local onde antes Oiticica ministrava seus cursos. A partir de sua fundação o Centro ocupou-se em continuar realizando cursos e conferências. De 1964 a 1969 patrocinou diversos eventos e seminários. A partir de 1964 o CEPJO vinha sendo prejudicado pela "revolução" que publicara uma enxurrada de leis punitivas. Sempre, no decorrer das palestras realizadas semanalmente no Centro, apareciam pessoas estranhas aos meios culturais. Em 1969 a Aeronáutica invadiu o Centro. Este livro conta esta história e também do inquérito policial-militar que se seguiu.

Clique aqui para adquirir.