O Centro de Cultura Social de São Paulo é o remanescente de uma prática comum do movimento libertário no Brasil. Tem como principal objetivo o aprimoramento intelectual, a prática pedagógica e os debates públicos. Para tanto lança mão de  meios como palestras, cursos, seminários, filmes, peças teatrais, entre outros, além de manter um acervo de arquivo e biblioteca voltada principalmente para o anarquismo. Desenvolve assim formas de ação e de formação de militantes e de livres pensadores, tendo sido comum a formação de diversos centros de cultura ou congêneres  no primeiro meado do século XX. A finalidade do CCS é, inclusive estatutariamente, estimular, apoiar e promover nos meios populares o estudo de todos os problemas que se relacionam com a questão social, não somente de cunho anarquista mas de maneira plural, havendo o especial cuidado de manter-se distante de qualquer instrumentação externa,seja de partidos políticos ou não. O CCS é independente de qualquer outra organização. Tem constituição de pessoa jurídica e tem seu funcionamento regido pelo seu estatuto. A gestão se dá pela comissão administrativa do CCS ,eleita anualmente,cumpridora das deliberações de assembléias de seus sócios efetivos, havendo a participação de seus sócios contribuintes. Sendo uma entidade sem fins lucrativos, o CCS mantém-se apenas por contribuição de seus sócios e simpatizantes.

A organização e as atividades do Centro de Cultura Social são pautadas na prática libertária, na autogestão e na ética anarquista. Encontram-se sintetizadas no seu Estatuto Social que estabelece as bases de acordo de seus associados e constituí o instrumento que confere natureza jurídica ao CCS.

Para ver na íntegra o Estatuo, cilque em "leia mais", abaixo:

O Centro de Cultura Social, nesses mais de 85 anos de existência, tornou-se patrimônio cultural e lugar de preservação da memória e cultura anarquista. Sua organização dá-se pelos seus associados, que advém ao CCS  pela afinidade às idéias libertárias, pela vontade de manter esse trabalho de divulgação e de estarem dentro de um âmbito de debate e discussão dessas idéias. As tarefas organizativas, a manutenção do espaço e a organização das atividades são feitas de maneira autogestionária, dentro da prática anarquista, sem autoritarismos e com divisão das responsabilidades entre os associados. Os novos membros são indicados sempre pelos associados já existentes, geralmente após acompanhar durante algum tempo o desenvolver das atividades. Para além disso, também há pessoas que por afinidade se dispõem a auxiliar o CCS, no decorrer das atividades e financeiramente para manutenção dessas, mesmo eventualmente.

O CCS, desde a sua fundação, se mantém com dificuldades financeira, seja para pagamento de postagem de correio, condomínio ou despesas diversas. Invariavelmente tem-se que fazer chamadas públicas para cobrir défice das despesas. Para tanto, além de nossos associados, outras pessoas simpatizantes auxiliam financeiramente o CCS com contribuições regulares ou pontuais.

Caso queira também contribuir com o CCS, pode ser feito em valores diretamente na sede do CCS. Ou se preferir, pode utilizar o sistema Pagseguro.